Não Durma no Ponto: Otimize seu tempo nas paradas
Francisco Ottoni
02 de fevereiro de 2018

Após horas correndo pelas trilhas, muitas vezes em completa solidão, eis que o corredor vê aquele oásis: um ponto de apoio! Mas cuidado! Esse ambiente tão aconchegante, confortável e cheio de comida, bebida e voluntários simpáticos, limpos e cheirosos pode ser uma areia movediça que vai te agarrar e cada minuto passado ali vai ficar mais difícil deixá-lo para trás. Nesse texto veremos algumas dicas para otimizar sua passagem por um ponto de apoio tirando o máximo de proveito e sem perder tempo.

O primeiro passo para potencializar suas paradas é estudar a prova. São quantos postos? Qual a distância entre eles? O que cada posto oferece? Será um posto de hidratação, de hidratação e alimentação ou completo (hidratação/alimentação/drop bag/ auxílio externo)?

Vamos usar a prova TDS (Sur les Traces des Ducs de Savoie), uma das provas do evento UTMB com 119 km e aproximadamente 7.200 mts de desnível positivo, como exemplo.

profilTDS2017.png

Claramente percebemos três tipos de pontos de apoio:

pontos.png

Também notamos que dois postos (T4 e T7) estão em verde. Isso significa que nestes locais é permitido assistência externa. E, apesar de não constar na imagem, no ponto T5 é possível ter acesso ao drop bag (uma bolsa, geralmente fornecida pela organização, onde o atleta pode colocar equipamentos e/ou alimentação e que estará disponível em determinado ponto do percurso).

Com essas informações em mãos você deve planejar o que pretende fazer em cada posto de acordo não só com a distância entre eles, mas também o tipo de terreno e altimetria que os separa. Sabendo o que encontraremos no posto que se aproxima e o que vem depois dele, antes mesmo de entrar nele, já temos que ter em mente o que faremos ali para o usufruir ao máximo do que é oferecido no mínimo de tempo possível.


PONTO DE HIDRATAÇÃO

 Não há muito o que fazer aqui, pois só encontraremos água e isotônico e talvez alguma comida simples (frutas, biscoitos, doces).

A regra aqui é rapidez. Quando notar que está chegando próximo ao posto, esvazie suas garrafas e/ou bolsa de hidratação de preferência bebendo o que resta de líquidos assim você chegará hidratado e se preocupará apenas em se reabastecer. 

Caso suas bebidas estejam quentes, jogue fora. O mais importante que você já chegue no posto com suas garrafas destampadas e prontas para serem enchidas. Tenha em mente se você vai querer água e/ou isotônico e em qual vasilhame é para colocar cada líquido. Entregue a garrafa para algum voluntário e seja claro sobre o que você quer que seja colocado ali. Se for o caso, hidrate-se novamente enquanto aguarda.  

Pegue suas garrafas cheias de volta, agradeça a todos no posto e volte para sua prova.


PONTO DE HIDRATAÇÃO E ALIMENTAÇÃO FRIA

A parte de hidratação é exatamente como dito acima. Então, após entregar as garrafas abertas e vazias aos voluntários, vá direto para a mesa de comidas. Pegue o que você vai comer, coloque nos bolsos ou em um saco plástico, volte para pegar suas garrafas, agradeça a todos no posto e vá para a trilha. Alimente-se enquanto caminha e volte a trotar lentamente até conseguir imprimir seu ritmo de prova novamente. Além de ganhar tempo, caminhar enquanto come vai ajudá-lo a descansar as pernas. Se preferir pode ir ingerindo sua alimentação aos poucos ao longo do trecho entre as paradas.

Em provas maiores a variedade de comida oferecida pode deixar o corredor desnorteado, olhando aquele tantão de comida, com vontade de comer tudo e sem saber por onde começar. Então, antes de chegar na mesa de guloseimas, saiba o que você quer comer. Pelo menos se você está com larica de comida doce ou salgada deve estar claro.


PONTO DE APOIO COMPLETO

Aqui você vai encontrar tudo que a prova oferece aos corredores: bebidas diversas, comidas frias e quentes, a presença do seu apoio pessoal, drop bag, atendimento médico e, em algumas provas mais longas, chuveiros e local de descanso. Seria um paraíso se você não estivesse em uma corrida e tivesse que sair dali o mais breve possível. Se você seguiu minhas dicas, já chegou no posto hidratado (sempre bom lembrar que hidratação é sua prioridade n° 1), então a primeira coisa a fazer é . ALIMENTAR-SE. Aproveite para comer o que é oferecido apenas nesse posto: uma refeição quente. Em 99% das provas isso significa macarrão. Provavelmente também terá uma sopa. Comer o macarrão puro ou com molho é decisão do atleta. Se você gosta de sua prova com emoção, encara o molho. Eu sempre vou de macarrão branco com sopa.

Por que devemos alimentar assim que entramos no posto? Porque enquanto seu estômago faz a digestão, você estará trocando suas roupas, meias e/ou tênis, estará recebendo atendimento médico caso necessário, estará reabastecendo sua mochila com os alimentos que deixou no drop bag, descansando, passando filtro solar ou repelente de insetos, etc

Sobre trocar de roupa, meia e/ou tênis eu tenho uma opinião simples: se não estiver incomodando, não troque. Você não tem nada a ganhar e só tem a perder ao trocar um equipamento que está legal e por outro que será uma incógnita. A não ser, claro, se o próximo trecho da prova exige um tênis com características completamente diferentes daquele que você está usando até ali.

 Se você conta com apoio de amigos, explore-os ao máximo. Ao contrário dos voluntários, eles estão ali exclusivamente para te auxiliar. Deixe claro para eles o que você precisa. Peça-os para encher suas garrafas, buscar seu drop bag, ajudar a tirar e calçar seus tênis, buscar comida, fazer massagem, passar o filtro solar, etc. (É meus amigos, ser apoio em prova não é fácil. Mas esse assunto merece um texto só para ele).

Outra decisão difícil é sobre sentar/deitar para descansar um pouco. Pessoalmente eu só sento durante a prova para trocar o tênis. Acho que quanto mais confortável você ficar dentro do posto, mas difícil será a retomada da prova. Penso que o corpo esfria e a mente envia sinais que está na hora de parar com aquela maluquice sem sentido. Pior é em caso de mau tempo (frio ou calor extremo), quando cada minuto extra dentro do posto te deixa com mais vontade de continuar por ali.


CONCLUSÃO

Como já foi dito no começo do texto, o objetivo dessas dicas é potencializar sua passagem pelo posto de apoio tirando o maior proveito possível do que é oferecido e em um tempo razoável. Só para ilustrar, em uma prova com 8 pontos de apoio como o TDS, 5 minutos a mais em cada um equivalem a 40 minutos a mais de prova. Algo bem considerável e que pode até significar um cut off.

Claro que o ritmo que você imprime na sua prova e o tempo que passa em cada posto é uma decisão pessoal e o mais importante da corrida é você se divertir e fazer as coisas do seu jeito.